Que tipo de ferramenta você quer para seu negócio, uma âncora ou uma catapulta? - Blog atile.branding | Marketing | Desenvolvimento | Salesforce CRM

(Blog)

Notícias sobre relacionamento com clientes

» Salesforce CRM, Marketing, Cloud Computing, Branding e mais. «

Que tipo de ferramenta você quer para seu negócio, uma âncora ou uma catapulta?

As tecnologias tem o único objetivo de facilitar a execução das atividades das pessoas, qualquer que seja esta atividade. Mas estou usando a ferramenta certa para fazer as coisas?

As tecnologias estão no mundo para servir ao homem. Vieram ao mundo em forma de máquinas, equipamentos, softwares, veículos, enfim, qualquer tipo de recurso que sirva para facilitar a vida das pessoas no exercício de suas atividades. Seja para se deslocar de um ponto ao outro ou para fazer atividades de forma mais rápida e ágil, o objetivo é sempre maximizar a produtividade das pessoas, fazendo um trajeto em menor tempo ou descascando mais batatas nas mesmas 8 horas de trabalho diárias.

 

No mercado, existem vários tipos de tecnologias que se propõe a fazer a “mesma atividade”, nos mais diversos níveis de qualidade e valores de investimentos. Porém, sabemos que a qualidade dos produtos e serviços que estão disponíveis no mercado variam e por consequência, o seu valor, seu preço. Mas no momento da tomada de decisão de qual investimento fazer, como fazer uma avaliação objetiva para não comprar uma âncora para os seus negócios?

 

O primeiro passo é avaliar quais são as necessidades da empresa. Qual é o cenário atual da empresa? Por que as coisas estão acontecendo desta maneira? Presume-se então que as causas tenham sido encontradas. Em seguida, é hora de se avaliar quais as opções existem para otimizar estes processos. Em pesquisa a fornecedores das soluções, uma infinidade de ofertas dos mais diversos níveis estarão disponíveis. Mas qual delas escolher? A mais barata, a mais cara?

 

Ao buscar investimento em uma tecnologia, comece sempre buscando aquela que maximizará a produtividade do seu time. Tente responder as seguintes respostas: Quanto de inovação essa ferramenta proporcionará para nosso negócio? Quais os ganhos que a empresa terá fazendo estes investimentos? Qual o esforço que teremos para implantá-la e mantê-la funcionando? Qual a disponibilidade desta tecnologia, estará sempre funcionando quando preciso? O produto é constantemente atualizado e conta com estrutura de suporte para resolução rápida de possíveis problemas? 

 

Estas questões ajudam a tornar mais explícitos os valores agregados dos produtos, aqueles que são intangíveis, que não podemos ver tampouco tocar. É importante estimar o custo da indisponibilidade de uma ferramenta. Se você comprar um produto que constantemente esteja indisponível, qual o impacto gerado em seu negócio? Quanto de dinheiro a empresa perderá pela falta do recurso? Qual é o investimento em infra-estrutura, equipe de suporte necessária para manter a ferramenta funcionando? Avalie todos estes valores na tomada de decisão para evitar comprar uma âncora.

 

Se entender que todas estas características atendem às suas expectativas, verifique agora se você tem condições de fazer este investimento, estimando juntamente o resultado que poderá ser proporcionado. Com isso, estará identificando o custo x benefício do produto ou serviço. Existe mercado e produto para todo mundo! 

 

Um cenário para se avaliar: Se a empresa já tem um bom nível de gestão, porém faz este trabalho de forma manual ou através de sistemas distintos, planilhas, tem área de administração de vendas, assistente comercial por exemplo, é um bom momento de escolher ferramentas de alta qualidade que possam dar agilidade para a equipe de vendas e reduzir o trabalho operacional do time, consolidando as informações em um único sistema de automação de força de vendas de última geração ofertado no modelo de computação nas nuvens. Neste caso, a empresa estaria colocando uma catapulta para trabalhar a seu favor, alavancando os negócios sem gerar ônus de gestão operacional deste recurso. 


Postado por Denis Augusto Valente em 6/12/2016

Tags: